Em importante entrevista, médico Acacio Centeno fala sobre a pandemia

Este portal conversa com um dos mais respeitados médicos do Pará e do Brasil, sobre o momento em que vivemos. A entrevista do Dr. Acacio Centeno, enriquece o nosso conhecimento sendo de extraordinária contribuição para a população. Acompanhe a entrevista.

Dr. Acacio Centeno
Médico
Áreas de atuação- cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião Bariátrico e do Diabetes.

1. A pandemia foi uma surpresa ou já poderíamos esperar por ela?
R – Acho que a pandemia foi uma surpresa para o mundo todo.

2. Como está convivendo como médico na crise do Coronavírus?
R- Como ser humano, angustiado pela perda de tantas vidas. Como médico ajudando da melhor maneira que posso mantendo meu consultório aberto para atender aqueles que precisam e diminuindo a procura pelos pronto socorros.

3. Como cidadão, como família como está agindo nestes momentos difíceis?
R- Seguindo as orientações dos órgãos competentes: isolamento social, usando máscaras, lavando as mãos e usando álcool em gel.

4. Em relação ao Coronavírus os riscos reduziram e quem corre riscos?
R- Essa é uma doença que atinge a todos, porém as formas graves são mais comuns em pessoas acima de 60 anos, hipertensos, diabéticos e obesos.

5. As medidas mais importantes na prevenção quais são? E como orienta seus pacientes?
R- A transmissão mais comum é de uma pessoa contaminada, por isso o isolamento das pessoas com suspeita ou com a doença Covid 19 é importante. A orientação é seguir as determinações dos órgãos competentes, e em caso de sinais ou sintomas sugestivos da doença procurar atendimento médico.

6. Aposta em medicamentos e vacinas a curto, Médio ou longo prazo?
R- Acho que vacina ainda demora um pouco. No momento atual a única maneira de controlar a pandemia é quando a maior parte da população se torna imune, após contrair a doença. Vale esclarecer que o isolamento não evita a doença ele busca que a infecção se faça aos poucos, para evitar uma superlotação dos serviços de saúde, como vimos em Belém nas semanas de pico da doença. Com relação a medicamentos eu sou favorável ao uso da Hidroxicloroquina iniciando nos 2 a 3 primeiros dias de sintomas, pois os trabalhos publicados recentemente, que questionam a sua eficácia, cometeram erros básicos na sua coleta de material, colocando em dúvida as suas conclusões.

7. Até quando poderemos ter tudo normalizado?
R- Acho que em Belém já vencemos a pior fase e avançamos para uma redução rápida dos casos, que agora crescem no interior. Na próxima semana o comércio e vários serviços irão reabrir. Acho que até final de junho estará tudo normalizado.

8. Os hábitos vão mudar?
Como ficarão esses hábitos?
R- Acho que veremos a consolidação da internet pelo e-comece, redes sociais, etc. quem ficar de fora, tenderá a desaparecer.

 

Fonte: https://www.guaranyjunior.com.br/