- Tratamento Endoscópico e Cirúrgico da Obesidade (Bariátrica)

É um Serviço especializado, formado por uma equipe multiprofissional com experiência na avaliação, preparo e acompanhamento de pacientes submetidos ao tratamento endoscópico ou cirúrgico da obesidade. Este Serviço iniciou suas atividades em 2002 e foi pioneiro ao realizar a primeira cirurgia por via laparoscópica no tratamento da obesidade mórbida no Pará. Desde o início, oferece um atendimento multidisciplinar e todos os métodos aceitos mundialmente como eficazes no tratamento da obesidade, de maneiras que atualmente é conhecido em todo o Brasil, tendo vários de seus membros sido convidados para palestrar e realizar cirurgias ao vivo em eventos médicos e congressos no Brasil.

 

- Tratamento Endoscópico

Balão Intragástrico

 

  • Tratamento Cirúrgico 

- Cirurgias Restritivas

São cirurgias que produzem perda de peso restringindo a quantidade de alimentos sólidos que podem ser ingeridos nas refeições.

 

- Cirurgias Malabsortivas

São cirurgias que produzem uma redução parcial do estômago associada à um grande desvio no intestino delgado de maneiras a criar uma separação entre o trajeto do alimento e o dos sucos digestivos bíleo-pancreático, que só se encontram há cerca de 50 a 100cm do final do intestino delgado, reduzindo de forma acentuada a digestão e absorção dos alimentos ingeridos. A redução na quantidade de alimento sólido ingerido causada pela redução do estômago é só no começo, após algum tempo o paciente poderá alimentar-se em quantidade quase normal. Estas cirurgias por produzirem uma perda de peso importante, são utilizadas principalmente nos pacientes “super obesos” ou como cirurgia “alternativa” quando as outras cirurgias bariátricas não deram bons resultados.

Existem duas técnicas de cirurgias malabsortivas que podem ser realizadas por via convencional (cirurgia barriga aberta) ou por via laparoscópica:

 

As cirurgias malabsortivas têm como vantagens: produzirem uma perda de peso independe do hábito alimentar “os pacientes perdem peso mesmo comendo” e produzirem uma perda de peso importante de cerca de 35 a 50% do peso inicial.

Porém, têm como desvantagens: o fato de poderem causar deficiências nutricionais severas e de difícil controle como anemia por deficiência de ferro, osteoporose, osteomalácia, hipovitaminoses, desnutrição proteica grave (em cerca de 6.6% dos pacientes), halitose, intolerância importante à lactose, produção exagerada de gases, flatulência com odor forte, distensão abdominal, aumento da frequência intestinal e hipotireoidismo secundário. Queda de cabelo pode ocorrer em até 52% dos pacientes, que perdura até a estabilização do peso. Em alguns casos de desnutrição ou diarreia importante podem necessitar de re-operação para reverter a cirurgia. Devido à essas desvantagens, estas cirurgias são muito pouco utilizadas nos dias de hoje.

Os pacientes operados por estas técnicas exigem acompanhamento médico e nutricional mais intensos e em longo prazo, logo não devem ser utilizadas em pacientes que não podem comparecer às revisões periódicas.

- Cirurgia Combinada ou Mista

Cirurgia de “bypass” gástrico em Y de Roux

 

- Acompanhamento nutricional pós cirurgia bariátrica

O acompanhamento nutricional no tratamento da obesidade tem como objetivo o bem-estar físico e emocional do paciente, através da seleção dos alimentos que contenham os nutrientes mais saudáveis e que estejam adequados às necessidades de cada indivíduo.

No pré-operatório a avaliação nutricional inclui o histórico alimentar, medidas antropométricas (peso, altura, Índice de Massa Corpórea, circunferência da cintura e circunferência do quadril) e BioImpedância. Essa avaliação visa conhecer o estado nutricional inicial do paciente, identificar hábitos alimentares inadequados (baixa ingestão proteica, que pode contraindicar as cirurgias malabsortivas), distúrbios alimentares (gosta de doces, belisca entre as refeições, que pode contraindicar as cirurgias restritivas) e conscientizar o paciente da importância da mastigação e necessidade de reeducação alimentar bem como orientar sobre as mudanças na alimentação que irão ocorrer no pós-operatório.

A reeducação alimentar pré-operatória (dieta pobre em carboidratos por duas semanas antes da cirurgia) tem como objetivo proporcionar a perda de peso no período pré-operatório, para que as doenças associadas à obesidade como hipertensão arterial, diabetes e doenças articulares, entre outras, sejam mais facilmente controladas, diminuindo os riscos da cirurgia. A dieta líquida não fermentativa quatro dias antes da cirurgia tem por finalidade diminuir a distensão das alças intestinais durante a cirurgia. Além disso, muitas das orientações alimentares pré-operatórias deverão ser seguidas no pós-operatório, para proporcionar uma perda de peso adequada ao final do primeiro ano, estabelecida como meta para o paciente.

No processo de reeducação alimentar será considerada também a relação que foi estabelecida com o alimento ao longo dos anos, onde o mesmo é utilizado independentemente das sensações de fome e saciedade. Como o alimento possui além do valor calórico, um valor simbólico, ele pode estar sendo utilizado por necessidade emocional como: estresse, ansiedade, medo, insegurança, raiva, solidão, etc. Portanto estes aspectos e suas interferências serão considerados e trabalhados durante a avaliação a fim de possibilitar o melhor resultado possível.

No pós-operatório, o paciente deverá ser acompanhado por uma nutricionista com experiência em cirurgia bariátrica, pois deverá ter uma dieta pobre em calorias, mas que assegure boa hidratação, seja nutricionalmente balanceada e respeite a limitação quantitativa que a cirurgia impõe, para prevenir possíveis desconfortos pós-operatórios, deficiências nutricionais e promover uma perda de peso bem-sucedida. A fase inicial é difícil, porque o paciente está acostumado a comer muito e terá de comer muito pouco. Se comer mais, vomita. Por isso, ele terá de se reeducar, além de tomar suplementação proteica nos seis primeiros meses, e suplementação de vitaminas e sais minerais durante todo o resto da vida.

A principal mudança na alimentação após a cirurgia é uma diminuição importante na quantidade de alimentos consumidos diariamente devido a redução do estômago. No período pós-operatório inicial o objetivo é evitar náuseas, vômitos, síndrome de ¨dumping¨ (que é o mal-estar que pode aparecer após ingestão de alimentos ricos em açúcar) e desidratação, além de prevenir o desenvolvimento de carências nutricionais.

A orientação nutricional pós-operatória pela nutricionista da Procto Gastro se inicia ainda no hospital, antes da alta hospitalar. A orientação nutricional pode variar em função do tipo de procedimento cirúrgico usado e a evolução de cada paciente.

O paciente deve tomar no mínimo 1 a 1,5 litro/dia de líquidos para evitar a desidratação e favorecer o bom funcionamento dos rins, deixando a urina clara e evitando a formação de “pedras nos rins”.

- Acompanhamento psicológico pós cirurgia bariátrica

O que ouvimos a nosso respeito desde criança, a educação familiar, como lidamos com nossas emoções, o nosso jeito de ser, o nosso estilo de vida, hábitos alimentares, vida pessoal, profissional, social e autoestima, determina muito de nossos comportamentos diante da vida.

A cirurgia bariátrica é muito importante no controle da obesidade mórbida, porém precisa de um grande parceiro, o paciente, sua determinação e muita vontade de mudar.

O atendimento psicológico deve começar na fase pré-operatória, onde se pode avaliar as condições psicológicas que o paciente se encontra através da anamnese e atendimento familiar. A intervenção psicológica no tratamento da obesidade será feita de acordo com o tipo de estrutura psíquica de cada pessoa, podendo estar associada ao tratamento psiquiátrico por ser comum a presença de quadros depressivos, de ansiedade e principalmente compulsivos, que necessitam muitas vezes de uma intervenção medicamentosa associada à psicoterapia.

A cirurgia sozinha não faz milagre, é preciso muita persistência, força de vontade para mudar e principalmente seguir regras que a nova condição impõe. É importante estar disponível as novas possibilidades que surgem nesse processo de mudança.

Muitas mudanças ocorrem após a cirurgia, e o acompanhamento psicológico é de grande importância. A adaptação ao novo estilo de vida, deixar para trás antigos costumes, diminuição da ansiedade e nova forma de viver são importantes para o sucesso da cirurgia, principalmente para que não ocorra o deslocamento do sintoma (por exemplo, do comer para o uso abusivo de álcool). O psicólogo intervém de forma preventivamente visando a melhoria da qualidade de vida e adaptação a nova realidade.

O atendimento psicológico nessa fase ajuda oferecendo suporte emocional, para passar pelo processo de mudança com menos ansiedade, melhor compreensão de si, mudança dos hábitos alimentares e todos os aspectos emocionais que podem aparecer nesse processo de emagrecimento.

É uma adaptação de longo prazo, onde se manter magro dependerá principalmente do fato de seguir as orientações da equipe multiprofissional, cada uma com sua importância e significado.

 

 

Quer marcar uma consulta ou tirar uma dúvida?