É um exame utilizado no diagnóstico da Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE). Ele permite registar o refluxo ácido gastroesofágico, sua intensidade e correlação com queixas digestivas, otorrinolaringológicas, respiratórias ou cardiológicas.

  • O exame

A pHmetria esofágica de 24 horas consiste na medição contínua do pH intraesofágico, durante um período de 24 horas, utilizando-se um cateter especial de fino calibre (com um ou mais sensores de pH), que é passado por uma das narinas e posicionado dentro do esôfago, e que fica conectado a um gravador digital externo que grava o pH ao nível dos vários sensores. A colocação do cateter é geralmente bem tolerada, dispensando sedação ou anestesia que não seja local. O paciente fica com o aparelho (portátil) por cerca de 24 horas e deve manter seu ritmo de vida normal, evitando ao máximo mudar sua rotina de trabalho e alimentar, para não interferir na fidelidade do resultado. O exame pode ser realizado em qualquer idade e é bem tolerado.

    • Está indicada principalmente na:

1. Investigação de sintomas sugestivos de Doença do Refluxo Gastroesofágico (pirose /azia, dor retroesternal, odinofagia/deglutição dolorosa, disfagia/entalos, dispepsia não ulcerosa, etc.).

2. Avaliação do “tipo” de refluxo ácido gastroesofágico (ortostático, de decúbito ou combinado) e eficácia da medicação ou cirurgia em pacientes resistentes ao tratamento utilizado.

3. Quadros otorrinolaringológicos recidivantes, tais como rouquidão, nódulos de cordas vocais, faringo-laringites crônicas, sensação de “globus” (sensação de catarro preso na garanta), engasgos frequentes, etc., resistentes aos tratamentos convencionais, para descartar a possibilidade de ser uma manifestação extra digestiva da Doença do Refluxo Gastroesofágico.

4. Quadros respiratórios recidivantes, tais como tosse crônica não produtiva, pneumonias de repetição, asma brônquica sem resposta ao tratamento, etc., resistentes aos tratamentos convencionais, para descartar a possibilidade de ser uma manifestação extra digestiva da Doença do Refluxo Gastroesofágico.

5. Dor precordial com exames cardiológicos normais, para descartar a possibilidade de ser uma manifestação da Doença do Refluxo Gastroesofágico.

6. Regurgitação atípica ou complicada na infância, para avaliar a possibilidade de ser uma manifestação da Doença do Refluxo Gastroesofágico.

7. Avaliação pós tratamento cirúrgico da Doença do Refluxo Gastroesofágico em pacientes que persistem ou voltam a apresentar os mesmos sintomas pré-operatórios.

  • Preparo prévio

» Suspender, com pelo menos 7 (sete) dias de antecedência, todos os medicamentos que esteja tomando para aliviar eventuais sintomas digestivos (gástricos, intestinais, etc.).

» Estar em jejum por no mínimo 06 horas.

» No dia do exame, sugerimos fazer asseio corporal antes de vir a PROCTO GASTRO, pois durante as 24 horas do exame não poderá fazê-lo, sob risco de danificar o equipamento.

» Comparecer a Procto Gastro no dia e hora marcados do exame, vestindo camisa de botões.

» Trazer consigo no dia do exame um relógio e os exames realizados anteriormente.

  • Como é realizado

Inicialmente é realizada anestesia local de uma das narinas e da garganta, e uma sonda é passada pela narina anestesiada para medir a distância da narina até borda superior do esfíncter inferior do esôfago, para definir a posição correta da sonda de pHmetria. Este procedimento se chama manometria do esôfago.

Após isto, a sonda de pHmetria é passada pela mesma narina até o estômago para medir o pH intragástrico, em seguida fixada 5 cm acima da borda superior do esfíncter inferior do esôfago e conectado a um gravador digital que registra de forma contínua o pH intraesofágico durante 24 horas.

  • Durante o exame

» ter sempre o relógio, uma caneta e a “Ficha de Registro das Ocorrências” fornecida pela Procto Gastro com você para poder efetuar os registros necessários.

» durante o exame o paciente deve manter suas atividades e alimentação de maneira normal e rotineira.

» evitar expor o aparelho a detector de metais ou Raios X.

» evite ingerir alimentos muito quentes, frutas cítricas, café puro, bebidas gasosas, chá preto ou mate e bebidas alcoólicas, durante o exame.

» anote na “Ficha de Registro das Ocorrências”, todas as vezes que:

  1. Soar o alarme do aparelho. Verifique se não ocorreu desconexão do aparelho. Caso isso tenha ocorrido reconectar, para que o alarme pare de soar.
  2. Sentir algum sintoma tipo azia / queimação, dor no peito, líquido azedo na boca, tosse, engasgos, arrotos, crise de asma ou outro sintoma que achar importante.
  3. Ingerir algo (alimentos, bebidas, etc.), especificando o tipo de alimento, horário de início e término, e o tipo de líquido ingerido com o respectivo horário.
  4. Deitar, especificando o horário em que deitou e levantou, informando se dormiu ou não.
  5. Fumar ou fizer uso de alguma medicação, anotando o nome do medicamento e respectivo horário de tomada.

» No dia seguinte, no mesmo horário da realização do exame o paciente retorna para retirar o cateter e o gravador.

ATENÇÃO: NÃO TOMAR BANHO E NÃO DEIXAR CAIR ÁGUA NEM BATER O APARELHO EM NENHUM MOMENTO. NUNCA TENTE ABRIR O APARELHO.